sábado, dezembro 31, 2011

Nota ao tempo





Poet code dress in the night of a blue







Não importa que nota se dá ao tempo, não há tempo, qualquer nota a qualquer momento se dá, no momento em que menos se espera vem a luz. A luz se ergue e se espalha por todo lugar, por todos os ares onde não há vazio. Todas as notas que existem para preencher o universo pluriverso multiverso polifônico. Leia do seu jeito, leia bêbado, leia Bakhtin. Leia-me. Sabe?, tem dia que a noite é só uma uma só noite dentro da noite dos tempos, da noite dos séculos da noite que se aclara com o dia, com o sorriso of a dawn, com aurora, um novo alvorecer e passos que se perdem na memória. O encantador de cobras também sente dor e também sente o veneno da cobra, sua própria cobra, sua serpente, sua amiga, sua mulher. E o novo dia começa no mesmo dia e a melodia, ao meio dia, se esmera, se esvai e recomeça, dispersa em tudo que se viu ficou pra trás. Uma ronda, meia volta, volta e meia, todos vamos, vamos todos festejar, começar um novo plano, um novo trânsito lunar. Acenda uma vela pro seu Orixá.

2 comentários:

Raquel Emanuelle disse...

Acenda uma vela de coração.

Raquel Emanuelle disse...

mas não coloque no cinzeiro...