segunda-feira, dezembro 29, 2008

dicionário de antônimos


Um comentário:

Papagaio Mudo disse...

O povo é burro que dói,
mas nunca bata em seu leitor
descubra quem é o ídolo dele e bata no ídolo.
O meu é o Chet Baker. Quando Fuchs tava lendo a biografia, escrito por algum jornalista presunçoso, idiota e oportunista, sempre batia no Chet, me informando as inverdades que ele dizia. E eu retrucava - "mas ele sabe encontrar as notas doces, não acha?" - e ela ficava com os olhos na mentira que desabona todo lirísmo chetberiano = decadente, inescrupuloso.
Mas meus ouvidos não mentem, as notas prolongadas não mentem, O Chet sim, podia até mentir.
Queria mesmo ler seus manuscritos autobiográficos que se perderam "I thought I had Winds".
O anjo caído... não tinha asas, mas suas notas voavam como o canto de um rouxinol apaixonado, ao entardecer suave lentamente.