domingo, maio 29, 2011

Criança não paga. Sábado a noite parece parado e realmente. Fez quem o tinha, ou caminha madrugada adentro. Movido guiado neurose. Para o domingo que parece nunca vai chegar e quando chega, parece que nunca vai passar. Caminho no escuro com passos de gato. Não me importo se o dia vai amanhecer o animal sabe sem saber. O verme também não se questiona e segue contente adiante. A lua ontem me deu um sorriso belíssimo, mas bucólico e nostálgico. Tento não alimentar a nostalgia, portanto conto as horas pelo movimento dos astros. O ciclo é uma elipse. Uma história que corre para o mesmo mar inevitável. Do pó ao pó. Deixei de procurar nas cinzas o que não existe mais. Fênix e eu estamos renascendo. O principezinho deu muita importância a sua rosa. Minha rosa amarela desbotou perdeu a cor. E agora vivo nesse mundo. O importante é cativar-se.

Um comentário:

Adriana Godoy disse...

Papagaio, hoje li alguns textos seus(que não tinha lido) e mais esse e posso afirmar que não me arrependi de ter vindo aqui. Gosto muito. Beijo