quinta-feira, junho 02, 2011

Dê-me licença de dizer, mas eu conheço esse olhar que se esgueira e que se perde dentro de si mesmo. Que me faz perquirir seu espírito vendo esse olhar que avança contra si mesma, de improviso, conduzindo-a ao labirinto intrínseco. Conheço de algum lugar as linhas que traçam esse rosto, essa persona que tateia as paredes do cérebro na aparente obscuridade, a caixa dos sentimentos secretos. Que preza por sua dignidade quando o sol os ilumina. Conheço essa cegueira passageira de quem sai da escuridão-para-a-luz intensa irradiante. Quem não conhece? Deixe-me dizer, antes de recostar a cabeça sobre mais uma noite e o pretenso merecimento de mais um dia, que esse silêncio não durará para sempre. A voz intrínseca se externará como toda palavra que cala e toda mudez que silencia. Não faltarão perguntas a te impugnar inexplicáveis porquês.

2 comentários:

Lara Amaral disse...

Excelente, Gustavo!

Papagaio Mudo disse...

obrigado, Lara.