sexta-feira, janeiro 11, 2008

Diálogo pai e Filho

__Você bebe pra ficar bêbado?
__ Sim.
__ Não faz sentido.
__ Às vezes faz.
__ Esse drama que você está vivendo é muito pequeno pra tanto sofrimento.
__ Eu não sofro só por causa desse amor, mas por tudo que envolve esse amor.
E ainda envolve na relação direta com a minha vida diária, de outras formas. A realidade se apresenta feito morte lenta e suave, às vezes torpe e amarga. Azedume de ralo dos botecos-de-beira-de-estrada. Alguma coisa que morre dentro de mim, mas um sentimento reluta em sobreviver.
__ Você acha que bebendo vai esquecer?
__ Não.
__ No dia seguinte o problema continua aí, do mesmo jeito e ainda pior.
__ Eu sei. Mas toda morte é um renascimento. Preciso morrer pra viver novamente. Aos poucos começo a me recompor, a cada hora que passa. Ontem fui sozinho ao jazz. Sozinho sou um risco a mim mesmo.
>¨<

9 comentários:

Anônimo disse...

Porque ninguém comenta esses textos, não devo ser tão bom assim.
Meu lamento já cansou, já ME cansou, mas ainda tenho fins, começos e meios a dizer. Que logo meu humor se esvaneça, que logo a inpiração vá fugindo aos poucos...
Até,

caiocito disse...

Comentar o quê? dizer que esse foi bom. E que solidão é auto-destrutiva?

Mesmo pq, ninguém se interessa pela vida de ninguém. Se vc morrer, vai ser mais um.

abrazoz

pesseguinho disse...

existe um texto do caiocito e fala sobre os comentaristas de plantão, nem sempre tem o que dizer, mas sempre falam pelos cotove-los. passo sempre por aqui, gosto da métrica, do ritmo, da criatividade sobre o mesmo cotidiano... pequenas coisas sobre um jornal nacional... nem tudo precisa mudar.

Edson Junior disse...

esta questão o senhor Chesterton já nos esclareceu em 51 letras: “Bebei porque sois felizes, mas nunca porque sois desgraçados.”

liberté disse...

mas sempre beba com qualidade.
porém nao chegues sempre á overdose, deixe o delírio para ocasiões especiais.

Bardo disse...

A dialética do nada acaba sempre em alguma coisa palpável. Nem que seja numa ressaca.

Bardolini

Anônimo disse...

7 é meu número de sorte.
Relutante em dizer.

Bardo disse...

Bardolini says:
__ Isso nunca vai acabar!?

Papagaio Mudo disse...

acho q não...

>¨<

BardoBardo . . .