segunda-feira, outubro 03, 2011




A vida sem vida um mótuo contínuo movimento constante, eterno, perpétuo. O movimento sem tempo paralisa o instante da noite dos séculos. O bambu diz ao pintor: olhe para mim por dez anos. Depois, transforme-se em mim. Depois pinte.

Nenhum comentário: