domingo, março 29, 2009

Jogado pelas laterais

Escrevo para passar as palavras que vieram parar nos meus pés. Estou amuado, acuado, jogado pelas laterais. Amargurado em ter que manter esse silêncio cheio de palavras. Vocalizo-as pra dentro, engolindo vento, doendo meu peito. O gato de Rilke, Schwarze Katze. On donne sa langue au chat? Sigo mais um dia e mais um dia e mais um dia. O golpe da despedida. Único último pecado. Um beijo desajeitado com lágrimas nos olhos. Vi a solidão do meu lado, vi o presente grego do passado indo embora em um carro negro. Certeza que você já esqueceu com certeza que os sonhos não eram apenas meus... não fui capaz de amar novamente. Eu mergulhava nas ondas, do seu cabelo dourado, inebriado pelo perfume suave e doce e erradio, beijava seu pescoço com desvelo, quando minha cama era uma floresta, quando um pequeno espaço no mundo, também era você um pequeno espaço do mundo. Convulsionada e calma transbordava. Entretanto minha alma se desfez, como pegadas ao vento. Até que virei o pó da prateleira e hoje sou arquivo morto. Antes que eu me perca, tentando de longinquamente flertar comigo mesmo, saudade é não saber. Tornou-se um deserto pra mim, e não mais reconheço a geografia do seu corpo. Não mais reconheço a mim mesmo. Gostava mais de você do que de mim. Gostava mais que eu pudesse esquecer que um dia quis ser muito feliz. Confinado por fronteiras do passado, isolado pelo preconceito de ser doido. Encerrado em mim mesmo ensimesmado. Emparedado, detido, fechado, capturado pela pálida aparência de um novo sonho. Tudo isso é também para mim um pretérito imperfeito. Para você, sem hipérboles ou hipocrisia, parabéns pelo gol de bicicleta, parabéns por atingir suas metas, alla tedesca.

>>¨<<

15 comentários:

BAR DO BARDO disse...

emparedado só o miau ausência de luz do sr. edgar (allan poe).

bom texto, cara!

Papagaio Mudo disse...

Oi Bardo,

obrigado. Sempre rimando...
Tem poesia lá no Bar? - pergunto eu a rimar? Depois do almoço passo por lá, para tomar um vinho do Porto. Afinal, sabes que tudo que é de Portugal só nos fortalece, não é?

Coimbra de Caimbra
se salva por um a.

hai-kai pós-moderno
você de bermuda
e eu de terno.

fred disse...

Gustavo,
A densidade dos seus textos me causa dificuldade para comentar. Sei que é besteira minha, mas não consigo me livrar do medo de dizer tolices e, portanto, limito-me a dizer que estive aqui, li e gostei.
Grande abraço.

Papagaio Mudo disse...

Oi Fred,

Imagina, recebo isso como um elogio! venha sempre quando quiser e será bem vindo. É que fiquei viciado em ouvir as pessoas falarem bem ou mau, o que elas tem ou não teem a dizer..
Fique à vontade.
Abraço,

Gustavo

Adriana Godoy disse...

Um texto rico de imagens e sensações pertubadoras, um texto rico de poesia, de construções singulares. Gostei de verdade. Beijo.

Papagaio Mudo disse...

Oi Adriana,

Suas observações são sempre únicas. Gracias.
Beijo,

>>¨<<

Mara faturi disse...

Amei imensa e "doloridamente"...
Seu texto é belíssimo;
"Capturado pela pálida aparência de um novo sonho", essa frase me lateja...
voltarei sempre,
bjo
* mais um mineiro das letras para confirmar que Minas é Pedreira de gemas poéticas, sim, sim....;)
*visite meu blog, tenho mineiros da gema, por lá...

Papagaio Mudo disse...

Oi Mara,

muito obrigado pelos elogios. Somos mineiros de gemas poéticas.. que lindo isso. Visitarei seu blogue, com certeza. Minas liberta!
Beijos,

Gustavo

Priscila R. disse...

obrigada pelo elogioo
e não...a honra é minhaa, sempre..

danke

Elisabeth Teixeira disse...

Minha contribuição para sua seleção musical, a letra dá pra achar no proprio site, quanto a foto ilustrativa você imagina.

http://app.radio.musica.uol.com.br/radiouol/player/frameset.php?opcao=umamusica&nomeplaylist=003337-6_08%3C@%3EGreatest_Hits%3C@%3EChange_It%3C@%3EStevie_Ray_Vaughan_/Double_Troble%3C@%3E0358%3C@%3ESteve_Ray_Vaughan/Double_Troble%3C@%3ESONY%3C@%3EEpic

Boa semana!!bye, bye!!

Danitza disse...

É estranho como algumas coisas não nos deixam...
O seu "silêncio cheio de palavras" tem ficado cada vez mais perfeitamente audível.
Abraços de cá

roserouge disse...

Eu quero amar,
amar perdidamente!
Amar só por amar:
Aqui... além...
Mais Este e Aquele,
o Outro e toda a gente...
Amar! Amar!
E não amar ninguém!

Florbela Espanca

Uma boa semana pa ocê, mérmão!

Menina do mar disse...

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...
(Continuação da Florbela da Roserouge)

Beijo

Alice Salles disse...

O gol é sempre NOSSO! Porque jogo que não se joga ganhando logo de cara não é jogo, ninguém joga por jogar... Todos ganham no final! (eu 'blablando')

Papagaio Mudo disse...

Eu acho Alice,

que se a equipe se mantiver unida nós podemos garantir um bom resultado, porque as preliminares ainda não são as finais. O próximo adversário é um time forte, mas nós vamos treinar duro pra compensar nossos erros e ver o que o professor fala.
bjos,

Gus