sábado, junho 29, 2013

poema das onze e meia

Meu Deus é um deus cruel
que anda sobre os meus pés

se esconde em pequenas coisas
e não se mostra ao invés.

Reverso da soma antinômica
= subtração simétrica harmoniosa.

Pego esse teclado contraditoriamente hiperbólico,
no mundo-quarto-anfiteatro tetrassilábico,
com-dordecabeça-mente estrábico.

visão sistêmica deu se bi-foulcault
tecnológicabeleira paquidérmica

quem é esse viajante?  

quem é esse deus cruel?

que espalha esperança
e transforma sal em mel?













Nenhum comentário: