sábado, março 27, 2010

Leben ist Vielfalt

Eu havia esquecido. Tudo está flutuando. Boiando assim, como em uma correnteza. Cada com seu rio-vida, suas curvas. Na geografia do labirinto do ego. Viver é assim como todas as coisas, na(s) ondas, ondulações. O determinado momento acontece nas dobras, triangulações ou ramificações do Tempo-Espaço. O pensamento corre em velocidade imensurável, infinita. Como se eu estivesse esperando a chuva. O pensamento voa mais rápido q a velocidade da luz. A terra gira em torno da lua, ou a lua gira entorna terra? Faz lua cheia aqui enquanto é dia no Japão. Faz lua cheia no Japão. A pomba gira, putinha, voou voou. Não há amor melhor, não há perolas entre as conchas e sou, em consenso direto com o ato de ser, nômade. Todo somos, somos eternos. Estou mapeando a territorialização e desterritorialização dessa vida, como se fosse um mapa. Um mapa tridimensional, trifásico. Dínamo da noite estrelada, a catarse faz parte do estímulo. O dínamo gera energia mecânica através de uma força da natureza. A vida é um moinho, a vida é um dínamo. Pode incorrer certo ar de instabilidade no nomadismo. Na redundância vejo que gosto do gosto de lamber ferida. Deixa-me, mais uma vez, na zona de conforto. Nada mal afinal. Miles, a música enbriaga. Link it! no jardim, nada com nada. Se dissolveu. Um ponto negativo se esconde no lado contrário da sala do seu cérebro. Nada mais faz sentido. Nada mais tem. Nada mais é.

Um comentário:

Papagaio Mudo disse...

vida é diversidade