quarta-feira, agosto 14, 2013



Franz papa

Começo a transitar pra além dos jardins do ego. Existe alguém aqui dentro, que vê observando. Registrei agora, fui caçar beneficio pra caninos longos, cultivo ar de sarcasmo enquanto o bebê bebe medo, acastelado no mastro mais alto da minha gaiola, sinto-me um naufrago no deserto.
Naufrágio frágil nefrose não cabe na frase outra dose, de foto fóbico sintaxe. Onde fui colocado de volta na gaiola por algazarra azarada da ma’ last zumzum, d’abelha feiticeira pressa lhufas mesmice ain’t got no time pra lamúrias, lamentos de um fescenino. Obsceno, licencioso, lascivo, observo silenciosamente lúbrico, conscienciosamente impudico e cônscio disso tudo. servus capti est.
Santo espera, Kafka anda. Kakfagando agachado. Rio beira bunda lupa. Lupanares, bordellos, luares do jamais. Pirofagia de retrógrado Pinóquio. Morrer queimado e mentir, ou vice-versa, parte do fax, auxiliar de escritório, me manda o memorando que minha memória anda falhando, folha piso seca quando, penso existo desde quando?, desdezenove de febrero, de mil novicientos y setienta y ocho, hache de Gustavo, tengo trienta y cinco años, torrezinha hipertextual, confragido papagaio. Confrangeríeis minha polvorosa prosa, mas tenha cuidado
 Microsoftilmente armado, calibri 11, centralizado. Juízos sintéticos diferentes, análises críticas subjetivas.

Pierout le fou,
blind torrezinha.


[Sintoma também pode ser entendido como sinônimo de índice. Semiótica-mente, sintomas são signos da relação entre significado e significante.]


Nenhum comentário: