domingo, agosto 25, 2013

You know, Amy...




Faz algum tempo tenho escutado essa moça. Uma Diva. Tenho compaixão por aqueles que se perdem no caminho, incompreendidos e sozinhos. A dor, signo, a coisa em si, é incompreensível e um tanto difícil de descrever, pois o colóquio só atente ao grito. Lágrimas despudoradas, intrépidas jornadas em busca de si mesmo. Objetos faltantes irrepresentáveis, sentiments from the back alley. Temer a morte é morrer duas vezes. Sinto, e sentir, conforme o Pravda (a verdade) de Mikail Bakhtin é também inalcançável e icognícivel. Interpretamos o objeto invisível, assim como a fome, o medo, a dor, a coragem de seguir vivendo. O frio que sinto, de seguir pleno, indica que tento me desapegar do osso. Completar o que sempre há de ser incompleto, indizível. Deus, alma, mundo. Ilusões de transcendência nas quais somos, estamos, cremos. Sem mais delongas. O decorrente paradoxo, próprios do homem que nos qualificam, não definem o gênero e espécie a qual pertencemos. A diferença nos faz únicos. Únicos e viemos e voltaremos. Estamos. Ser é questão de verbos. Sermos únicos, singulares, exclusivos é o que nos torna inusitados seres viventes. Nada que é humano me é estranho. Excepcionais talentos, como dessa moça, finda na equação dos meios e começos. Vale dizer que a síntese de um juízo final não é resultado exato de um diagnóstico. Não importa quem se candidata a perpetrar tal análise, o personagem kantiano, humano será inevitavelmente humano. Amigo, a que vieste? assim somos, estamos e seremos



únicos, únicos, únicos, insólito, únicos, únicos, únicos, únicos, únicos, únicos,
enigmáticos múltiplos de nós mesmos!

Mors omni aetate communis est!

Hodie mihi, cras tibi…



Ab imo pectore,

Gustavo Perez

Nenhum comentário: