quinta-feira, outubro 15, 2009

pop-up menu


Eu realmente senti que quebrar-vos a atmosfera em torno de mim, fez um vácuo que me permita avançar, para dar o espaço de um espaço em que eu não nasci em quem ainda o poder silencioso, uma germinação virtual que nasceu elaborada pelo lugar Sofrer. Coloco-me neste estado, muitas vezes, não absurdo de tentar criar em mim, pensei. Somos poucos, naqueles dias que queria ter para tentar coisas que criam espaços para viver os espaços que nasceram intangíveis, e parecia não encontrar um lugar no espaço. Eu sempre impressionado com a obstinação da mente de querer pensar em dimensões e espaços, e em um conjunto arbitrário de estado de coisas para pensar, a pensar em segmentos, que cada modo de ser implica fixar comunicações em um começo. Que o pensamento não é instantânea e ininterruptamente com as coisas, mas essa fixação e a do congelamento, este tipo de configuração de lâmina de monumentos, ocorrendo, uma vez que antes do pensamento. Esta é, obviamente, boa para se criar. Sinto certa totalidade insolúvel, refiro-me a sensação que, certamente, não morde. E eu, ao longo destes acontecimentos sensacionais, estou em estado de choque menor, eu imaginaria uma massa mental enterrada em algum lugar que se tornou virtual.

Um comentário:

Diego Yorkes disse...

1 bit do (in)consciente.